Páginas

terça-feira, 6 de janeiro de 2009

relembrando clássicos da infância: atari

algumas pessoas, no caso, os jovens leitores deste blog, acostumados com guitar heroes da vida, videogames de última geração e afins podem não acreditar, mas, na jurássica e cafona década de 80, aqueles que já tinham nascido se divertiam jogando videogame.

tudo bem que a bolinha do ping pong era, na verdade, um quadrado quicante, e que o joystick era composto apenas por um botão e um controlador de direção, tipo manche de avião. é, gente, era só isso, um mísero botão. hoje em dia, quando eu vejo aqueles controles com 10 botões, fico sem saber como as pessoas conseguem jogar, mas aparentemente é um problema que só eu tenho (acho que o pessoal é polvo mutante e eu não estou sabendo).

alguns jogos todo mundo conhecia, e jogou, como pac man (ou come-come), enduro (de corrida de carrinhos), river raid (avião que atirava em helicópteros, navios e pontes, e tinha aqueles postos de gasolina chamados FUEL =P), pitfall (indiana jones wannabe)... outros bem populares eram jungle cruise (aquele em que o cara nadava no rio dos jacarés, pulava cocos e tal), keystone keapers (o do guardinha que perseguia o ladrão), freeway (que deve ter se originado da piada "por que o frango atravessou a rua?"), bobby is going home (jesus, que música chata!), decathlon (o jogo mais destruidor de joysticks ever!), chopper comand...

aliás, no reveillon, cheguei à conclusão que poliana estava dormindo em algum momento da década de 80, porque ela não tinha idéia da existência de decathlon e do seu papel de treinamento para punheteiros de toda uma geração.

e adventure? o herói que era um quadrado, e com uma espada que parecia uma seta de indicação de direção, matava os dragões, abria o castelo com a chave, e pegava uma taça piscante, para levar para o outro castelo. a fase 1 era tranqüila depois que você decorava o caminho pelo labirinto, mas as fases 2 e 3, que tinham mais dragões e um morcego ladrão, além do labirinto invisível, eram meio impossíveis.

outra coisa: o console esquentava. ou seja, você não podia ficar jogando o dia todo sem parar, porque supostamente o videogame poderia explodir. então, as mães tinham a desculpa de "o videogame precisa esfriar um pouco!" para tirarem seus filhos da frente da tv.

eu ganhei um atari em algum natal da década de 80, imagino que lá por 1985, comprado na mesbla. tinha alguns cartuchos, mas legal era quando um amigo ia na sua casa e levava as fitas dele, ou quando a gente ia pra casa de minha avó, em são felipe, e jogava com tios e primos (no caso, primas).

minha irmã teve um master system depois (tinha o sensacional jogo moon walker, com dancinhas de michael jackson). eu joguei, era legal... mas não era a mesma coisa. nem eu era mais criança... mas digo, adoraria jogar de novo atari. de verdade, com o joystick de verdade, na tv. no computador, não é a mesma coisa.

eis que às vésperas do reveillon, eu descubro estas pérolas: videozinhos contando a história do videogame! gente, recordar é viver.



neste vídeo, tem os jogos lançados entre 1978 e 1980. dá pra relembrar adventure, pac man, boxe e ski (os nomes dos jogos aparecem na parte inferior do vídeo, do lado esquerdo).



aqui rolam, entre outros, freeway, jungle hunt, ms. pac man, pac-man, pitfall, river raid e enduro.

(achei essas preciosidades no UOL jogos, aqui)

3 comentários:

Adalton Silva disse...

Pow, minha mãe também comprou nosso (meu e de meu irmão) na Mesbla. Lembro que voltamos pra casa num final da tarde de um sábado, ônibus lotado e nós extremamente irritantes querendo abrir a caixa do atari dentro do ônibus.

Porra, Julie, total anos 80 esse post... Tô lembrando de várias coisas... :P

Fany disse...

Uau, como eu adorava o Atari!!!
Ganhei o meu no dia das crianças em 1985. (o mais interessante é que minha tia comprou e FALTOU AO SERVIÇO no dia que ia me dar, para jogar o dia inteirinho antes deu chegar em casa da escola e me dar!! tipo, já ganhei o brinquedo usado :p).
Meus favoritos disparado eram river raid e enduro, e AMAVA os que eu não tinha e dependia dos coleguinhas, como o adventure e o keystone keapers (acabei de descobrir o nome desse jogo).
Confesso que não sei em que mundo vivi, pois não me lembro do decatlon...
Ah, e tinha um X-Man, que um vizinho tinha, e era pornô. JU-RO. O bonequinho - pelado e com ereção - tinha que atravessar um labirinto e para passar de fase tinha que praticar uma posição sexual. Esse era mega detonador de joystiks!!!
Tive um Master System depois, e com ele fui apresentada às locadoras, pois as fitas eram mto caras e eu as alugava... Os melhores eram Sonic e Alex Kid.

Após esse momento nostalgia, devo dizer que compartilho da sua questão e não consigo entender como alguém consegue jogar um videogame cujo joystic tem mais botoes do que a quantidade de dedos... Neste natal comprei um PS2. Na verdade eu comprei um guitar hero, que é MEGA LEGAL, fato, e para jogá-lo é preciso ter um PlayStation. Já estou totaly viciada, quase com LER. É, os videogames de hj em dia também tem essa peculiaridade - raramente vc joga sentadinho. Porém não consegui jogar 1 unico jogo de joystic... Veja bem, o controle tem 6 - isso mesmo, crianças, 6 - botões + 1 controlador de direção POR MÃO, além de 3 botões para configuração. Como assim, Bial????
Após 1 semana de guitar hero resolvi me aventurar com os joystics, e escolhi um 'joguinho' chamado Grand Turismo, que aparentemente era de carrinhos. Ótimo, eu adorava Enduro, esse era uma boa pedida... eis que coloquei o CD (cartucho é coisa do passado!) e, após 10 minutos, tirei o CD sem nem ter conseguido fazer o carrinho entrar na pista!!

Você percebe que está ficando velho quando não consegue mais ligar os brinquedos atuais...
Se tiver alguem com 20 e poucos anos lendo, por favor, fale com a tia Fany pra me ensinar a fazer esse negócio funcionar... A 3a idade agradece!

Caminhante disse...

Sim, o X-man era pornográfico! Na verdade, eu só ouvi falar. Por causa dos meus dois irmãos superprotetores, jamais jogaram aquilo na minha frente! :X

E eu gostava da musiquinha do Bob vai pra casa. Era um dos poucos jogos que eu era boa. E totalmente idem pra incapacidade de jogar as coisas atuais. Ainda bem que existe o wii...