Páginas

quinta-feira, 26 de março de 2009

justa medida

odeio a sensação de estar no meio do caminho, de não conseguir alcançar nenhum dos lados e ficar flutuando e pendendo ora para um lado, ora para o outro.

se eu fosse mais fútil, seria mais preocupada com minha aparência como um todo (porque claro que quem pinta cabelo, faz unha, usa maquiagem e gosta de roupas é preocupada com sua aparência), e emagreceria. nem que fosse fazendo dietas insanas e ficando psicada com número de calorias de cada coisa.

se eu fosse menos fútil, não ligaria a mínima para o assunto peso e não me incomodaria com quantos quilos eu peso, nem com que roupa eu pareço menos gorda. ia achar tudo isso uma grande idiotice e não gastaria meus ATPs com o tema.

sendo como sou, esse assunto é um tormento. tem horas que eu penso que nem imagino como é viver sem ter esse tipo de preocupação. se o peso - não importa se muito, pouco ou normal - não me afetasse em nada. quantas brigas eu não teria com minha mãe, quantas crises de auto-estima eu não teria comigo mesma, quantas chateações eu não passaria querendo uma roupa que não cabe em mim (ter acabado seu número é bem diferente de não existir seu número, sobretudo quando por trás está a mensagem velada de que se você estivesse dentro do padrão da "normalidade", não enfrentaria este problema).

sem contar, claro, a semi-esquizofrenia de me auto-acusar de fútil quando manifesto preocupação com o assunto, e de desleixada por não conseguir resolvê-lo. é um "eu ouço vozes" light, que mesmo assim é bem incômodo.

por que tem horas que parece que tudo o que você não é é melhor do que o que você de fato é?

5 comentários:

Quéroul disse...

:ó(

Pi Pi Piriri Pi Pi disse...

Tenho MUITOS comentarios a fazer sobre o assunto. Mas creio que o melhor ainda eh o silencio. Ou o QUASE silencio, ja que estou aqui, marcando presenca.

Caminhante disse...

:ó( [2]

paula disse...

Eu que vivi a maior parte da vida sofrendo com o assunto, que estive sempre no meio do caminho e que me vejo até hoje ouvindo vozes, entendo tudo!

Daqui do meu lugar, só posso dizer que "broto, você é muito!" e tudo que você é muito bom!

Rachel disse...

Puxa vida, me identifiquei total com este post... Vc escreveu para mim? rsrs
Até o lance das vozes... Sabe que, no meu caso, até ja batizei a vozinha chata que fica me criticando o tempo todo? Ela chama Cruela! rsrs.
Bjs